segunda-feira, 12 de julho de 2010

Sobre "enchufe", "papa" e "remolacha"

     Bueno, estou chegando para a prosa!
     Quando me ofereci para participar deste espaço, logo pensei no jeito de falar das gentes do “povo” – como dizia meu pai ao se referir à cidade em oposição ao campo!
     Me lembrei de quando fui morar sozinha, para estudar, aos 17 anos, numa cidade aqui do Rio Grande mesmo, a mais de 600 km de Uruguaiana (é, as distâncias são inquietantes!).
     Eu abria a boca e ouvia:
     - Tu não é daqui, né?!
     Como assim? Logo descobri que as pessoas com quem começava a conviver não entendiam algumas expressões usadas por mim.  Nunca havia pensado na influência do espanhol na minha fala!
     No pensionato:
     - Enchufa pra mim que eu vou passar minha roupa!
     Minha colega só me olhando...
     No mercadinho:
     - Moço, vê pra mim um quilo de papa!
     Ou
     - Preciso de meio quilo de remolacha!
    O balconista sem entender...
     Eu, vinda da fronteira oeste, experimentava a vida numa região de colonização alemã. E começava a perceber que a ponte que nos separava de Paso de los Libres, na Argentina, nos aproximava dos costumes, da cultura, da língua espanhola!
     No início, ficava super envergonhada... tentava, ao máximo, anular meu sotaque fronteiriço...
     Aos poucos, fui assumindo as diferenças e brincando com elas! Uma espécie de código entre @s uruguaianenses fora do pago!
:: :: :: :: :: :: :: :: :: ::
Enchufar; conectar na tomada elétrica, plugar; “- Prende o ferro de planchar, mas primeiro enchufa na tomada”; por analogia, também se usa como “enrabar” ou sacanear alguém; “- Eu te dizia, tu era o único que acreditava nela... taí, ó, te enchufou...”; enchufada: enrabada; “- Aí, hem, me contaram que te deram a tal enchufada...”;

Enchufe; tomada elétrica; do castelhano; enchufle;
Papa; batata inglesa; papa frita: batatinha frita; papa doce: batata doce, também conhecida como munhata; do castelhano, direto;
Remolacha; beterraba; aliás, em Uruguaiana ninguém fala beterraba, e sim a castelhana remolacha;

4 comentários:

só eu............ disse...

olá, suely.como eu imaginava teremos aqui uma fonte incrível de comparações!e o blog está engordando!
abç
vera

só eu............ disse...

eu tenho uma colega de trabalho, também coordenadora, que é gaucha. é muito divertido ver a pronúncia dela e os termos que ela usa. muitos ela realmente precisa traduzir pra nós, paulistas. o que pra nós é "filãozinho", pra ela é "cacetinho", ela adora falar "capaz"........

Fátima disse...

Suely:
adorei.Êta brasilzão!!
mas, explica aí o que é "uruguaianenses fora do pago"
Bjs

Suely Aymone disse...

Oi, gurias!!!

Sumi, excesso de trabalho...

Fátima, os "uruguaianenses fora do pago" são os que estão longe da terra natal!!!

Pago: "Lugar em que se nasceu, o lar, o rincão, a querência; o povoado, o município em que se nasceu ou onde se reside. Geralmente usa-se no plural." (http://www.filosofiaclinica.com.br/2010/Semana2010/dicion%C3%A1rio%20ga%C3%BAcho/dicion%C3%A1rio.html)

Abraços!!!